Apologética

26 de dezembro de 2011

O Método Apologético Tradicional

Mais artigos de »
Escrito por: Cornelius Van Til
Tags:,
metodo-apologetico-tradicional-vt

O método tradicional, prática de muitos cristãos ao longo dos séculos, foi construído por católicos romanos e por arminianistas. Foi, por assim dizer, derivado da teologia católica e arminianista. Como a teologia católica e a arminiana compromete as doutrinas cristãs da Escritura, assim o método apologético tradicional compromete o cristianismo a fim de conquistar os homens para a sua aceitação.

O método apologético tradicional compromete a doutrina bíblica de Deus no sentido de não distinguir claramente entre sua autoexistência e sua relação com o mundo. O método apologético tradicional compromete a doutrina bíblica de Deus e sua relação com a revelação ao homem no sentido de não insistir claramente em que o homem, como criatura e como pecador, não pode buscar a natureza de Deus fora de sua revelação.

O método tradicional, prática de muitos cristãos ao longo dos séculos, foi construído por católicos romanos e por arminianistas. Foi, por assim dizer, derivado da teologia católica e arminianista.

O método apologético tradicional compromete a doutrina bíblica do conselho de Deus, não levando em conta que ele é a “causa” última e toda abrangente de tudo que vem a ser.

Portanto, o método apologético tradicional compromete a clareza da revelação de Deus ao homem, quer a revelação venha de maneira geral ou especial. Fatos criados não devem ser tomados como revelações claras de Deus; todos os fatos da natureza e do homem somente indicam a probabilidade de existência de um deus.

O método apologético tradicional compromete a necessidade da revelação sobrenatural em relação à revelação natural. Assim fazendo, falha em fazer justiça ao fato de que, até mesmo no paraíso, o homem tinha de interpretar a revelação natural à luz das obrigações pactuais que lhe foram impostas por Deus por meio de comunicação sobrenatural. Em consequência, o método tradicional falha em reconhecer a necessidade da revelação redentiva, sobrenatural, concomitante com a natural, depois da queda do homem.

O método apologético tradicional compromete a suficiência da revelação redentiva sobrenatural na Escritura, na medida em que permite que fatos totalmente novos, tanto para Deus quanto para os homens, apareçam na realidade.

O método apologético tradicional compromete a autoridade da Escritura não tomando isto como testemunho no sentido pleno do termo.

O método apologético tradicional compromete a doutrina bíblica da criação do homem à imagem de Deus, vendo-o como um ser “livre” ou ultimado, em vez de analógico.

O método apologético tradicional compromete a doutrina bíblica do pacto, não fazendo a ação representativa de Adão um determinativo do futuro.

O método apologético tradicional compromete a doutrina bíblica do pecado, não o considerando um rompimento ético com Deus, o qual é completo em princípio, ainda que não, na prática.

A despeito de todas essas coisas, o método apologético tradicional tem sido aplicado por teólogos reformados, e tal fato tem atravessado o caminho para o desenvolvimento de uma apologética distintamente reformada.

 

Fonte: Cornelius Van Til, O Pastor Reformado e o Pensamento Moderno, (Cultura Cristã, p. 68-69).



Sobre o Autor

Cornelius Van Til
Cornelius Van Til
Cornelius Van Til, um dos apologistas mais originais e brilhantes do século 20, nasceu em Grootegast, Holanda (1895) e emigrou com a família para os Estados Unidos em 1905. Casado com Rena Klooster, foi filósofo cristão e teólogo reformado, pastor da Christian Reformed Church e um dos professores fundadores do Westminster Seminary, em setembro de 1929, onde lecionou Apologética até aposentar-se, em 1974. Em 1936 transferiu-se para a Orthodox Presbyterian Church, à qual pertenceu até sua morte, em 1987.




 
 

 
logo-r1

O pequeno segredo sujo dos endossos

Umas duas semanas atrás Carl Trueman postou uma resenha de um novo livro do G. R. Evans. Trueman tinha lido The Roots of the Reformation: Tradition, Emergence and Rupture na esperança de que poderia usá-lo como texto para su...
por Tim Challies
 

 
 
logo-r1

Cristo cumpriu os dez mandamentos

Adão quebrou os dez mandamentos no Éden. Mas Cristo guardou os dez mandamentos no “deserto”, sob circunstâncias muito mais intensas do que aquelas às quais Adão foi submetido. Guardou o primeiro mandamento. Ele trouxe ...
por Mark Jones
 

 
 
marca_dagua_banners_a

Adão quebrou os dez mandamentos no Éden

  Quais mandamentos Adão quebrou no Jardim quando ele e sua esposa comeram da árvore que Deus ordenou não comessem (Gn 2.16-17; 3.6)? Creio que ele quebrou cada um dos dez mandamentos, e não apenas um ou dois mandament...
por Mark Jones
 

 

 
marca_dagua_banners

O céu beijou a terra: a encarnação

O que é a encarnação? É o céu beijando a terra. Como disse o puritano Thomas Goodwin, quando o Filho tornou-se carne, “céu e terra se encontraram e se beijaram, a saber, Deus e o homem”.
por Mark Jones
 

 
 
marca_dagua_banners_la

A Oração do Senhor

Excelente exposição sobre a famosa “Oração do Senhor”.      
por Arthur W. Pink
 

 
 
marca_dagua_banners2

As Responsabilidades do Presbítero

Em textos como Atos 20.28, 1 Pedro 5.1-3 e Hebreus 13.17, fica claro que os presbíteros são (a) pastores do rebanho de Deus. Eles devem cuidar, guiar e alimentar o povo de Deus com a verdade de sua Palavra, assim como bons pa...
por G. I. Williamson
 

 




0 Comments


Be the first to comment!


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>