Apologética

26 de dezembro de 2011

O Método Apologético Tradicional

Mais artigos de »
Escrito por: Cornelius Van Til
Tags:,
metodo-apologetico-tradicional-vt

O método tradicional, prática de muitos cristãos ao longo dos séculos, foi construído por católicos romanos e por arminianistas. Foi, por assim dizer, derivado da teologia católica e arminianista. Como a teologia católica e a arminiana compromete as doutrinas cristãs da Escritura, assim o método apologético tradicional compromete o cristianismo a fim de conquistar os homens para a sua aceitação.

O método apologético tradicional compromete a doutrina bíblica de Deus no sentido de não distinguir claramente entre sua autoexistência e sua relação com o mundo. O método apologético tradicional compromete a doutrina bíblica de Deus e sua relação com a revelação ao homem no sentido de não insistir claramente em que o homem, como criatura e como pecador, não pode buscar a natureza de Deus fora de sua revelação.

O método tradicional, prática de muitos cristãos ao longo dos séculos, foi construído por católicos romanos e por arminianistas. Foi, por assim dizer, derivado da teologia católica e arminianista.

O método apologético tradicional compromete a doutrina bíblica do conselho de Deus, não levando em conta que ele é a “causa” última e toda abrangente de tudo que vem a ser.

Portanto, o método apologético tradicional compromete a clareza da revelação de Deus ao homem, quer a revelação venha de maneira geral ou especial. Fatos criados não devem ser tomados como revelações claras de Deus; todos os fatos da natureza e do homem somente indicam a probabilidade de existência de um deus.

O método apologético tradicional compromete a necessidade da revelação sobrenatural em relação à revelação natural. Assim fazendo, falha em fazer justiça ao fato de que, até mesmo no paraíso, o homem tinha de interpretar a revelação natural à luz das obrigações pactuais que lhe foram impostas por Deus por meio de comunicação sobrenatural. Em consequência, o método tradicional falha em reconhecer a necessidade da revelação redentiva, sobrenatural, concomitante com a natural, depois da queda do homem.

O método apologético tradicional compromete a suficiência da revelação redentiva sobrenatural na Escritura, na medida em que permite que fatos totalmente novos, tanto para Deus quanto para os homens, apareçam na realidade.

O método apologético tradicional compromete a autoridade da Escritura não tomando isto como testemunho no sentido pleno do termo.

O método apologético tradicional compromete a doutrina bíblica da criação do homem à imagem de Deus, vendo-o como um ser “livre” ou ultimado, em vez de analógico.

O método apologético tradicional compromete a doutrina bíblica do pacto, não fazendo a ação representativa de Adão um determinativo do futuro.

O método apologético tradicional compromete a doutrina bíblica do pecado, não o considerando um rompimento ético com Deus, o qual é completo em princípio, ainda que não, na prática.

A despeito de todas essas coisas, o método apologético tradicional tem sido aplicado por teólogos reformados, e tal fato tem atravessado o caminho para o desenvolvimento de uma apologética distintamente reformada.

 

Fonte: Cornelius Van Til, O Pastor Reformado e o Pensamento Moderno, (Cultura Cristã, p. 68-69).



Sobre o Autor

Cornelius Van Til
Cornelius Van Til
Cornelius Van Til, um dos apologistas mais originais e brilhantes do século 20, nasceu em Grootegast, Holanda (1895) e emigrou com a família para os Estados Unidos em 1905. Casado com Rena Klooster, foi filósofo cristão e teólogo reformado, pastor da Christian Reformed Church e um dos professores fundadores do Westminster Seminary, em setembro de 1929, onde lecionou Apologética até aposentar-se, em 1974. Em 1936 transferiu-se para a Orthodox Presbyterian Church, à qual pertenceu até sua morte, em 1987.




 
 

 
marca_dagua_banners_la

A Oração do Senhor

Excelente exposição sobre a famosa “Oração do Senhor”.      
por Arthur W. Pink
 

 
 
marca_dagua_banners2

As Responsabilidades do Presbítero

Em textos como Atos 20.28, 1 Pedro 5.1-3 e Hebreus 13.17, fica claro que os presbíteros são (a) pastores do rebanho de Deus. Eles devem cuidar, guiar e alimentar o povo de Deus com a verdade de sua Palavra, assim como bons pa...
por G. I. Williamson
 

 
 
marca_dagua_banners

Dois ou Três Ofícios?

Como você indubitavelmente sabe, há muito existe uma diferença de opinião entre os Reformados quanto ao número de ofícios permanentes na Igreja. Alguns têm sustentado o que tem sido chamado a visão dos “três ofícios...
por G. I. Williamson
 

 

 
Trinity_620

Como a Trindade trabalha em conjunto na salvação

Uma das percepções mais importantes da teologia Reformada é a unidade das obras da Trindade. Calvinistas creem que Deus o Pai, Deus o Filho e Deus o Espírito Santo estão unidos na obra de redimir a humanidade perdida. Não...
por Richard Phillips
 

 
 
marca_dagua_banners

Sexo, Namoro e Relacionamentos

Ontem à noite, minha esposa e eu nos sentamos e fizemos uma contagem aproximada do número de casais que conhecemos e passaram pelo namoro e noivado. É um bom número de amigos, familiares e membros da nossa igreja. Então pe...
por Tim Challies
 

 
 
marca_dagua_banners2

Quão Longe é Muito Longe?

Num momento ou outro, todo mundo já fez ou precisou responder as seguintes perguntas: Quando se trata do componente físico de um relacionamento de namoro, quão longe é muito longe? Podemos dar as mãos? Podemos beijar?
por Tim Challies
 

 




0 Comments


Be the first to comment!


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>